13 de nov de 2014

seu manel



hoje deixo escorregar pelos solos que ele tanto exalta o meu herói das ignorãças. o cabeludinho solitário e de amigos vegetais com quem tanto me identifico... seu manel. 
descansou, virou passarinho.
não ouso sentir-me órfão de poeta. a obra de manoel de barros está eternizada no meu coração.

"escuto o meu rio:
é uma cobra
de água andando
por dentro de meu olho."